Ganhar, gastar, guardar

por Denyse Godoy

 

Como identificar produtos piratas

A Fundação Procon do Estado de São Paulo e o Fórum Nacional contra a Pirataria e a Ilegalidade –uma associação privada de empresas e sindicatos– lançaram nesta semana uma cartilha para ajudar o consumidor a identificar e evitar produtos falsificados.

A principal recomendação é evitar adquirir mercadorias na rua e em estabelecimentos informais, que não fornecem nota fiscal. 

No caso de roupas, a orientação é analisar as etiquetas das peças.

Para óculos, aconselha-se observar os detalhes de acabamento, como rebarbas na armação e lentes de cores diferentes.

É simples verificar se um relógio é original checando se a mercadoria exibe o selo de controle (verde para item nacional e vermelho para importado) do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).

E as lâmpadas devem exibir os selos do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) e do Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica).

O manual completo está disponível para consulta na internet, no endereço http://www.procon.sp.gov.br/pdf/acs_guia_pirataria.pdf e pode também ser retirado nos postos de atendimento da entidade.

Escrito por Denyse Godoy às 09h09

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ceia de Natal da marca própria dos supermercados é até 48% mais barata

Você ainda tem preconceito com os produtos da marca própria dos supermercados?

Pois não deveria. Se observar as informações sobre os fabricantes dos artigos, o consumidor notará que os responsáveis muitas vezes são empresas bem conhecidas do público.

E a oferta de itens cresceu muito.

Quase todos os componentes da ceia de Natal estão contemplados, por exemplo. A economia de pôr a mesa das festas de final de ano com tais peças pode chegar a 48%, segundo os valores praticados na cidade de São Paulo:

Preços de referência – média de marcas famosas, segundo pesquisa do Procon-SP (realizada entre 28 e 29 de novembro)

Ave natalina (peru) – de R$ 11,45 a R$ 12,28 o quilo
Tender – de R$ 33,72 a R$ 37,80 o quilo
Lombo – de R$ 17,81 a R$ 18,79 o quilo
Panetone – 500 g – de R$ 9,14 a R$ 11,34
Chocotone – 500 g – de R$ 9,51 a R$ 11,80
TOTAL: de R$ 81,63 a R$ 92,01

Marca própria Walmart

Ave natalina – R$ 5,48
Tender – R$ 17,88 o quilo
Lombo – R$ 14,90 o quilo
Panetone – 500 g – R$ 4
Chocotone – 500 g – R$ 5
TOTAL: R$ 47,26
Diferença: entre 42% e 48,6%

Marca própria Carrefour

Ave natalina – R$ 4,98
Tender – R$ 19,90 o quilo
Lombo – R$ 13,98 o quilo
Panetone – 500 g – R$ 9,99
Chocotone – 700 g – R$ 12,99 (500g = R$ 9,28)
TOTAL: R$ 58,13
Diferença: entre 28,78% e 36,82%

Marca própria Pão de Açúcar

Ave natalina – R$ 6,98
Tender – R$ 24,90 o quilo
Lombo – R$ 13,90 o quilo
Panetone – 500 g – R$ 7,99
Chocotone – 500 g – R$ 7,99
TOTAL: R$ 61,76
Diferença: entre 24,34% e 32,87%

Escrito por Denyse Godoy às 09h12

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Para quem reclamar se a empresa atrasar o 13º. salário ou errar no cálculo?

As empresas brasileiras que dividiram o décimo terceiro salário em duas parcelas devem depositar a última até hoje, pela legislação.

Se o trabalhador não receber o dinheiro ou discordar do valor recebido, deve primeiro procurar o departamento de recursos humanos da companhia para solicitar os esclarecimentos que muitas vezes o seu chefe direto não sabe dar.

"As principais dúvidas geralmente dizem respeito a horas extras, comissões, remuneração variável", diz Aparecida Hashimoto, advogada especialista em questões do trabalho e sócia do escritório Granadeiro Guimarães. "Quando o funcionário afastou-se por problemas de saúde durante o ano ou recebeu uma parte dos montantes ao sair de férias, antes do dissídio também existe uma diferença nas contas que pode gerar questionamentos."

O patrão não apresentando justificativa convincente, o sindicato dos empregados pode ajudar bastante, pois tem especialistas acostumados a fazer tais cálculos e conhece a fundo a convenção coletiva da categoria, a qual eventualmente determina outras regras.

Muitas entidades possuem um relacionamento próximo com as empresas, facilitando um acordo.

"Na falta de entendimento, resta informar o problema a uma delegacia do trabalho ou ao Ministério Público do Trabalho", ensina Vilja Marques Cury de Paula, sócia responsável pela área trabalhista do escritório de advocacia GLA.

Nessas situações, a denúncia é anônima.

O Ministério do Trabalho parte, então, para a fiscalização e multa a firma ao constatar irregularidades –o valor depende do porte do negócio e é depositado no FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador).

A promotoria, por sua vez, vai procurar a companhia e propor um acerto, corrigindo as cifras ou estabelecendo nova data para a quitação. Em caso de descumprimento, entra com ação na Justiça.

Em todos os casos, a quantia a ser paga ao funcionário não muda muito: é acrescida apenas de correção monetária ou de uma penalidade de 1% ao mês na hipótese de o empregado abrir uma ação judicial individual.

Siga a coluna no Twitter para um resumo diário das notícias que mais interessam ao seu bolso!

+ ESPECIAL SOBRE O 13o. SALÁRIO

Escrito por Denyse Godoy às 12h49

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Sem pânico! Ainda dá para organizar os gastos de final e início de ano

Claro, o ideal é sempre se programar com antecedência para os gastos típicos de final e de começo de ano, como os referentes a presentes, festas, viagem, impostos, matrícula, material e uniforme escolar.

Mas as famílias encontram certa dificuldade em fazê-lo pelo descasamento entre receitas e despesas –geralmente, a sua renda é mensal e essas contas só aparecem entre o último e o primeiro trimestre.

O planejamento adequado exige dividir os valores que se pretende desembolsar nesta época por todos os meses e ir guardando aos pouquinhos para não se apertar em novembro e dezembro.

Se tal reserva não foi feita, acaba-se confiando que o décimo terceiro cobrirá todos os objetivos, porém o abono nunca é suficiente para tanto.

Depois de receber as duas parcelas desse salário extra, a angústia do trabalhador, ao perceber que os recursos não serão suficientes, só cresce.       

"Aí, o jeito é redefinir as prioridades", diz Mario Amigo, professor da Fipecafi (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras).

Todos os moradores da casa devem ser chamados a conversar e participar desse novo escalonamento. Não é necessário fazer contas complexas.

De um lado, soma-se o dinheiro disponível.

As obrigações, como tributos, seguros e expensas de educação, precisam ficar do outro, no topo da lista.

Depois, vêm os desejos cuja importância varia para cada consumidor: as férias, os presentes, a ceia.

O critério da qualidade de vida ajuda a selecionar quais realmente merecerão o dinheiro do abono –têm preferência, então, as contas que mais contribuem para o bem-estar da família.  

Importante mesmo é não contrair dívidas para bancar esses gastos, nem no cartão de crédito, nem sob a forma de parcelamentos, nem tomando empréstimos.

"São tais débitos que desorganizam as finanças do ano inteiro e acabam virando uma bola de neve", alerta a economista Viviane Sakamae Stivanello, educadora financeira e palestrante. "A sensação de tranqüilidade certamente é mais prazerosa do que a proporcionada por um sapato novo."

Siga a coluna no Twitter para um resumo diário das notícias que mais interessam ao seu bolso!

+ ESPECIAL SOBRE O 13o. SALÁRIO

Escrito por Denyse Godoy às 10h52

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

denysegodoy Elaborado pela jornalista Denyse Godoy, o blog trata da economia da vida real.


Twitter RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.