Ganhar, gastar, guardar

por Denyse Godoy

 

Evite o endividamento em dólar neste final de ano

Quem esperou até o último minuto para comprar dólares a serem gastos em uma viagem ao exterior neste final de ano teve prejuízo.

A moeda americana está cotada a R$ 1,855 nesta segunda-feira –uma valorização de 19,35% desde o início de agosto.

Geralmente, a recomendação aos turistas é ir adquirindo as divisas aos poucos, ao longo dos meses que antecedem a partida, de forma a obter, ao final, uma cotação média razoável, visto ser impossível acertar o momento exato de alta e baixa das cotações.

Como a crise internacional continua latente, os especialistas fazem um alerta: é melhor evitar o endividamento em dólar nos próximos meses. "Qualquer notícia sobre as economias europeias ou americanas, as instituições financeiras desses países e as dificuldades políticas em encontrar uma saída definitiva para o problema têm causado nervosismo no mercado e feito a divisa subir", diz Luiz Antonio Abdo, gerente de câmbio da corretora Souza Barros.

É claro que os valores também podem diminuir, mas é melhor ter a certeza de pagar um pouquinho mais do que ficar o tempo todo preocupado, durante o passeio, com os rumos do dólar e a incerteza de quanto terá que desembolsar na volta.

Na semana passada, o Banco Central realizou um leilão de venda de moeda quando as cotações se aproximaram de R$ 1,90, dando a entender aos bancos que esse é o patamar máximo de valorização da divisa que permitirá.

Não dá para se fiar em tal expectativa, entretanto.

Siga a coluna no Twitter para um resumo diário das notícias que mais interessam ao seu bolso!

+ MATÉRIAS NO BLOG

Escrito por Denyse Godoy às 11h41

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

denysegodoy Elaborado pela jornalista Denyse Godoy, o blog trata da economia da vida real.


Twitter RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.