O que os cidadãos que ficaram retidos na malha fina do ano base de 2010 estão descobrindo agora, chamados para se explicar, é que a fiscalização do governo vai indo muito além dos recibos, notas fiscais e outros documentos.

"Se os gastos são muito elevados, a secretaria tem pedido inclusive cópias de extratos bancários ou de cheques que efetivamente mostrem o pagamento, a transferência de recursos do paciente ou do seu reponsável para a empresa ou o profissional", conta André Duarte, diretor da consultoria DeclareCerto IOB.  

Quando fica comprovado algum erro, o contribuinte paga uma multa de até 75% sobre a diferença devida.

Então, a partir de agora, é altamente recomendável redobrar os cuidados com a informação de valores e também guardar o máximo de comprovantes possível.  

"A Receita tem como objetivo coibir as fraudes e também promover a educação tributária da população. Quando alguém paga menos do que deveria, o custo sobra para toda a sociedade", diz Welinton Mota, diretor da consultoria contábil Confirp.